Hedge agrícola: Como Acompanhar a Valorização do Boi Gordo?

Como Acompanhar a Valorização do Boi Gordo?

 

O hedge agrícola de boi gordo é uma estratégia fundamental para pecuaristas e empresas do setor se protegerem da variação de preços do gado no mercado. Essa estratégia minimiza os riscos financeiros associados à oscilação dos preços do boi gordo, que são altamente voláteis e influenciados por fatores externos.

O uso do hedge agrícola de boi gordo é uma forma eficaz de garantir a estabilidade financeira do pecuarista e da empresa do setor, pois permite minimizar os riscos e manter um fluxo de caixa previsível e estável ao longo do tempo.

Uma das maneiras mais comuns de se beneficiar com a alta do boi gordo na Bolsa de Valores do Brasil (B3) é por meio de contratos futuros de boi gordo negociados na bolsa. Esses contratos permitem ao pecuarista obter ganhos com a valorização do boi gordo sem a necessidade de ter o gado físico em mãos.

A compra de call de boi gordo na B3 é uma das operações que permitem ao pecuarista obter lucros com a valorização do preço do boi gordo no mercado. A call é uma opção de compra que dá ao investidor o direito, mas não a obrigação, de comprar o ativo subjacente, no caso, o boi gordo, a um preço determinado em uma data futura.

Ao adquirir uma call de boi gordo na B3, o produtor rural paga um prêmio pela opção de compra. Se o preço do boi gordo subir até a data de vencimento do contrato, o pecuarista pode exercer a opção e ganhar a diferença financeira entre o preço de mercado e o preço de exercício da opção.

É importante salientar que as opções de compra e venda (call/put) não possuem ajuste diário ou chamada de margem. Isso significa que o produtor pode perder apenas o valor do prêmio pago pela opção, caso o preço do boi gordo não suba ou até mesmo caia. Dessa forma, o hedge agrícola de boi gordo é uma estratégia valiosa para manter a estabilidade financeira e reduzir os riscos inerentes ao mercado instável do boi gordo.

 


Impacto da suspensão da exportação da carne brasileira

Recentemente, houve uma suspeita de um caso de vaca louca no Brasil, o que gerou preocupações sobre a possibilidade de um embargo à carne bovina brasileira. Embora a suspeita tenha sido descartada após testes laboratoriais, essa situação pode ter impactado temporariamente o preço da arroba do boi gordo devido à incerteza e preocupação do mercado.

Vale lembrar que eventos anteriores relacionados à vaca louca já afetaram a economia da pecuária brasileira, resultando em embargos temporários à exportação de carne bovina do país.

Abaixo no gráfico 01 mostra a desvalorização de R$ 60,00 no preço da arroba do boi gordo em Cuiabá – MT .

A suspensão das exportações de carne brasileira para a China resultou em uma queda significativa no preço da arroba do boi gordo, o que tem afetado o faturamento dos pecuaristas e pode comprometer a oferta de carne no longo prazo. A queda de R$ 60,00 por arroba representa uma perda de R$ 1.200,00 por boi, considerando um animal de 20 arrobas.

Diante dessa situação, em 02/11/2023 um pecuarista teve que decidir se vendia seus 825 bois para um frigorífico com preço de arroba de R$ 245,00 ou adotava outra estratégia, que será apresentada no próximo tópico.


Estratégia de hedge agrícola

Neste tópico, apresentaremos os estudos realizados para auxiliar o produtor rural a tomar uma decisão mais assertiva diante da suspensão das exportações de carne para a China. Levando em consideração o planejamento pecuário elaborado dentro da fazenda, foram identificadas duas possibilidades: 01) não vender os bois e aguardar a recuperação do mercado ou 02) vender os bois e fazer um seguro de alta para garantir a rentabilidade da produção.

Na avaliação das estratégias, levou-se em conta o custo de diária, que foi fixado em R$ 19,00.

Vale a pena segurar animais prontos por mais 20 dias aguardando o mercado recuperar?

Essa foi a dúvida que o pecuarista enfrentou em meio à suspensão das exportações de carne brasileira para a China.

Nos estudos realizados, foram avaliados apenas os resultados financeiros, não sendo considerados os índices zootécnicos relacionados ao desempenho dos animais.

01) Não vender o boi e segurar até o mercado recuperar.

Aqui vamos saber qual o custo do pecuarista em segurar os 825 animais por mais 20 dias no confinamento. Considerando o custo de diária de R$ 19,00.


Quadro 01 – Custo total para segurar os animais dentro da fazenda por 20 dias.

Caso o pecuarista decida segurar os animais prontos dentro da fazenda por mais tempo, ele poderia gastar, em média, R$ 313.500,00 nos próximos 20 dias. Isso resultaria em um custo adicional de R$ 380,00 por boi, o que pode afetar significativamente a rentabilidade do produtor.

Além disso, é importante destacar que segurar os animais por mais tempo significa assumir o risco de mercado, já que o preço da arroba pode cair ainda mais ou até mesmo se recuperar com o retorno das exportações. Outro ponto a se considerar é o impacto nos índices zootécnicos dos animais. Ao segurar os animais por mais 20 dias, o pecuarista corre o risco de prejudicar a qualidade da carne e até mesmo comprometer o ponto de abate dos animais.

Nesse estudo 01, caso o pecuarista quisesse proteger o preço (compra de put) da arroba de mais queda iria gastar R$ 4,00 reais por arroba. Custo total de R$ 66.000,00.

Resumo do custo financeiro:

  • Custo diária R$ 313.500,00
  • Custo proteção de preço R$ 66.000,00
  • Custo total: R$ 379.500,00

 

O custo projetado de R$ 379.000,00 seria o que o pecuarista iria desembolsar por segurar os animas por mais 20 dias dentro da fazenda aguardando o preço da arroba recuperar. No próximo estudo será apresentado a estratégia adotada pelo produtor.


02) Vender o boi e fazer seguro de alta (estratégia utilizada)

Para entender melhor a decisão do produtor de vender seus 825 bois gordos pelo preço da arroba de R$ 245,00, é importante analisar as informações que foram utilizadas para realizar o hedge agrícola. No dia 02/11/2021, o pecuarista vendeu seus animais a termo para um frigorífico pelo valor estipulado, como mostra o gráfico 01 acima.

Ao vender seus animais a termo, o produtor não precisou mais se preocupar com o custo diário total de R$ 15.675,00 (825 animais x R$ 19,00). Caso tivesse optado por segurar os animais por 20 dias, o custo total seria de R$ 313.500,00.

O principal fator avaliado pelo produtor foi se a venda estava dando lucro ou prejuízo. Ao analisar o custo da arroba produzida naquele momento, que era de R$ 240,00, o resultado por arroba era de R$ 5,00, o que indica um resultado baixo, considerando o risco da atividade.

Porém, foi possível obter um lucro de R$ 5,00 por arroba vendida, que poderia ser reinvestido no planejamento pecuário para melhorar o resultado. E o produtor rural resolveu fazer o seguro de alta para acompanhar a valorização da arroba caso subisse.

O gráfico apresentado mostra uma linha amarela que representa a compra da call no strike de R$ 280,00. Isso significa que se o preço da arroba subir acima dessa linha, o produtor poderá acompanhar toda a valorização.

O custo da opção (call) foi de R$ 4,46 por arroba, o que significa que o produtor pagou esse valor para participar da alta. Abaixo nota de corretagem que acompanha o gráfico apresenta o custo total do seguro de alta para 825 animais.

Nota de corretagem apresentada acima mostra a compra de uma call no strike de R$ 280,00 e o custo total de R$ 75.567,90
Nota de corretagem 01: Compra de call strike R$ 280,00 (Seguro de alta)

A nota de corretagem apresentada acima mostra a compra de uma call no strike de R$ 280,00 e o custo total de R$ 75.567,90. É importante destacar que esse custo foi uma economia significativa para o produtor rural, quando comparado com o estudo 01.

No estudo 01, o produtor teria que gastar mais de R$ 300.000,00 durante um período de 20 dias, na esperança de que o mercado se recuperasse. Já com a opção de compra, o produtor pagou apenas R$ 75.567,90 para participar da alta. Abaixo o comparativo do custo economizado ao bolso do produtor.


Comparativo dos custos

Quadro 02 - Economia no bolso do produtor rural por vender o boi e fazer seguro de alta.
Quadro 02 – Economia no bolso do produtor rural por vender o boi e fazer seguro de alta.

Ao comparar as duas estratégias apresentadas, é possível notar que a escolha mais vantajosa para o produtor rural foi a estratégia 02, que consistiu em vender o boi e fazer o seguro de alta, com um custo de R$ 75.932,90.

Por outro lado, a estratégia 01 envolveu não vender o boi e segurar por mais 20 dias, o que resultaria em um custo projetado de R$ 379.500,00. Isso significa que, ao optar pela estratégia 02, o produtor economizou R$ 303.932,10 no bolso.

Além disso, é importante destacar que a estratégia 02 foi a escolhida pelo produtor, o que indica que ele reconheceu os benefícios dessa opção e decidiu agir de forma proativa para se proteger contra possíveis quedas no preço da arroba.

Em resumo, ao escolher a estratégia 02, o produtor conseguiu reduzir significativamente os custos e minimizar os riscos, demonstrando a importância de buscar opções de proteção financeira no mercado agropecuário.


 

Resultado do hedge agrícola no boi gordo

Vamos agora avaliar se a estratégia adotada pelo produtor rural foi eficiente em termos de planejamento e qual foi o resultado obtido ao escolher vender o boi por R$ 245,00 e fazer o seguro de alta, ao custo de R$ 4,46 por arroba.

Passado um período em que o produtor rural optou por vender o boi e fazer o seguro de alta, houve um retorno significativo da China na importação da carne brasileira, o que fez com que o preço da arroba subisse. abaixo o gráfico 03 mostra a recuperação de preço.

Gráfico 03 – Valorização no preço da arroba do boi gordo em Cuiabá-MT.
Gráfico 03 – Valorização no preço da arroba do boi gordo em Cuiabá-MT.

Ao analisar o Gráfico 03, é possível observar que após a venda do boi pelo preço de R$ 245,00, houve uma significativa valorização no preço da arroba devido ao retorno das exportações, com um acréscimo de R$ 40,00. Caso o produtor rural não tivesse feito o seguro de alta, ele deixaria de participar desse momento positivo do mercado.

Essa situação é ilustrada no Gráfico 04, que mostra o acionamento da proteção para receber o valor financeiro previamente contratado. Esse recurso permitiu que o produtor recebesse uma compensação financeira pelo aumento no preço da arroba acima do valor contratado na opção de compra da call.

Gráfico 04 – Participação da alta na valorização da arroba do boi gordo.
Gráfico 04 – Participação da alta na valorização da arroba do boi gordo.

O Gráfico 04 apresenta a participação do produtor rural na alta do preço do boi gordo, tendo como base a compra da opção de compra da call no strike 280. Devido à valorização do preço da arroba, o produtor pôde receber o valor de R$ 28,00 por arroba, resultando em um valor total de R$ 462.000,00 referente aos 825 bois.

A nota de corretagem apresentada abaixo mostra o valor que o produtor recebeu em sua conta na corretora, referente a essa participação na alta do preço da arroba. Esse valor é uma importante fonte de receita para o produtor, e demonstra a efetividade da estratégia de gestão de risco adotada por ele.

Nota de corretagem 02: venda de call strike R$ 280,00 recebendo R$ 28,00 por arroba.
Nota de corretagem 02: venda de call strike R$ 280,00 recebendo R$ 28,00 por arroba.

O produtor rural recebeu um crédito no valor total de R$ 459.999,00 em sua conta, referente ao exercício da opção de compra (call). Entretanto, é importante destacar que esse valor bruto está sujeito à incidência de Imposto de Renda, pois houve um ganho financeiro na operação de hedge realizada.

Sendo assim, é necessário apurar o valor líquido que o produtor receberá após o desconto do imposto de renda devido. Dessa forma, será possível saber qual será o valor final que estará disponível para utilização pelo produtor rural.

Quadro 03 - resultado líquido do seguro de alta e resultado por boi
Quadro 03 – resultado líquido do seguro de alta e resultado por boi

Resumo do resultado da estratégia adotada pelo pecuarista.

Preço de venda final: Venda a termo para o frigorifico (R$ 245) + resultado líquido do seguro de alta (R$ 19,80) = R$ 264,80.

Lucro por arroba: Preço de venda final (R$ 264,80) – Custo da arroba produzida (R$ 240,00) = R$ 24,80

Lucro por boi: peso médio (20) x lucro por arroba (R$ 24,80) = R$ 496,08


Comparativo de resultados

É importante esclarecer que no comparativo apresentado não foram considerados os índices zootécnicos, tais como o ganho de peso, a conversão alimentar, entre outros, que são fatores fundamentais para a avaliação do desempenho dos animais na propriedade.

A análise realizada teve como objetivo principal compreender o desembolso do produtor rural em relação às diferentes estratégias de comercialização, levando em conta principalmente os aspectos financeiros envolvidos.

No entanto, é importante ressaltar que os índices zootécnicos são fundamentais para a gestão eficiente da atividade pecuária, e devem ser avaliados em conjunto com os aspectos financeiros para que o produtor rural possa tomar as melhores decisões em relação à sua produção.

Quadro 04 – comparativo de custos das estratégias
Quadro 04 – comparativo de custos das estratégias

Na Estratégia 01, ao segurar os animais por mais 20 dias na expectativa de que o preço da arroba subisse, o produtor rural teria que arcar com o custo das diárias dos animais, o que totalizaria um desembolso de R$ 313.500,00. É importante notar o quão significativo é o custo das diárias, que pode impactar negativamente no resultado da fazenda, aumentando o custo da arroba produzida para R$ 263.

Por outro lado, na Estratégia 02, o produtor rural optou por vender os bois para o frigorífico e fazer o seguro de alta, o que lhe custou apenas R$ 75.567,90. Essa tomada de decisão reduziu significativamente o custo de produção, resultando em um custo de arroba produzida de R$ 244,58.

É importante destacar que, além dos custos diretos, outros fatores devem ser levados em consideração na análise financeira da atividade pecuária, como os custos indiretos e os índices zootécnicos, a fim de obter uma visão mais completa do desempenho da propriedade.

A seguir, realizaremos uma simulação de resultados para avaliar a eficiência das estratégias considerando a oscilação do preço da arroba. Na Simulação 01, consideraremos que o preço da arroba não subiu, enquanto na Simulação 02, consideraremos que houve uma alta de R$ 40,00, o que representa um aumento de 15% no preço da arroba.


Simulações

Simulação de resultado 01 - preço da arroba do boi gordo subindo R$ 5,00.
Simulação de resultado 01 – preço da arroba do boi gordo subindo R$ 5,00.
Simulação de resultado 02 - preço da arroba do boi gordo subindo R$ 40,00.
Simulação de resultado 02 – preço da arroba do boi gordo subindo R$ 40,00.

Considerando o cenário em que o preço do boi físico subiu R$ 40,00 e o preço de venda na estratégia 01 seria R$ 284,00, podemos observar que mesmo com a valorização de 15% no preço da arroba, essa estratégia não seria tão eficiente. Para que a estratégia 01 apresentasse um resultado mais expressivo, o preço da arroba teria que subir mais de 20% no período de 20 dias.

Dessa forma, a estratégia 02 utilizada pelo produtor rural foi mais eficiente nesse cenário, já que o fato de ter vendido os bois reduziu o custo de produção dentro da porteira. Além disso, é importante destacar que se o preço da arroba não tivesse subido, a estratégia 01 teria gerado um prejuízo enorme, já que o produtor rural teria segurado o animal dentro da fazenda na expectativa do preço subir.

Caso o preço da arroba tivesse ficado em R$ 250,00, por exemplo, o prejuízo da estratégia 01 teria sido enorme para o bolso do produtor rural, já que ele teria segurado o boi por 20 dias na expectativa do preço subir.

Por outro lado, na segunda simulação em que consideramos o movimento de alta de R$ 40,00 no preço da arroba do boi gordo na região da fazenda, a estratégia 02 se mostrou mais eficiente, já que o produtor rural conseguiu vender e acompanhar na valorização do preço da arroba.

Dessa forma, podemos concluir que a escolha da estratégia adequada para o momento é crucial para o sucesso financeiro da fazenda. É importante levar em consideração não apenas a oscilação dos preços, mas também os custos envolvidos, como o valor da diária dos animais. A estratégia 02 se mostrou mais vantajosa no cenário analisado, mas é preciso sempre avaliar cada situação de forma individualizada para tomar a melhor decisão possível.

 

Autor: Rafael Grings

Quer saber mais sobre as ferramentas de hedge agrícola ? Acompanhe nossos canais:

Podcast: https://open.spotify.com/show/6TsTZCIbt8NoMls5XAQTE9?si=c2203507b3e44754

YouTube: https://www.youtube.com/@HedgeAgro

Instagram: Hedge Agro

 

Compartilhe: