Como Funciona Contrato Futuro Na BM&F?

Embora o mercado futuro seja muito comentado no meio agro, ele ainda é mal compreendido pelos produtores. Neste texto, vou explicar suas principais características e como utilizar para proteção de preço.

Primeiramente quero esclarecer a diferença entre mercado à termo e mercado futuro. Mercado à termo é aquele negociado entre produtor e trading, já o mercado futuro é realizado em bolsa de valores (nosso caso BM&FBovespa).

O mercado futuro é uma evolução do mercado à termo e sua origem vem da necessidade de compradores e vendedores se protegerem das oscilações de preço das commodities.

No mercado futuro, o comprador e vendedor acordam o preço do produto em determinada data futura dentro do ambiente de bolsa. Até o vencimento do contrato, ambos terão os ajustes diários (positivos ou negativos) na conta corrente da corretora e no vencimento ocorre a liquidação do contrato. Em alguns casos, embora seja incomum, pode haver liquidação física, ou seja, o vendedor entrega o produto ao comprador.

Margem de Garantia

A margem de garantia é um valor definido pela bolsa conforme metodologia própria[1] e objetivo é demonstrar que o participante (comprador ou vendedor) tenha condições mínimas para abertura da operação. Parecido com um cheque caução.

São aceitos como garantia o dinheiro, ativos de renda fixa e ações. As ações têm deságio sobre valor de face conforme divulgado pela bolsa. Já para renda fixa privada, a bolsa tem estoque limitado por banco emissor. As corretoras costumam divulgar um relatório sobre margens aceitas, basta solicitar ao seu assessor para ter acesso. 

Indicamos que o participante não use dinheiro como garantia, é melhor comprar uma renda fixa para render juros até final da operação.

É importante lembrar que algumas corretoras por questões de estratégia comercial podem disponibilizar um limite de garantia para seus clientes, esta opção geralmente não tem custo adicional. 

Outra forma que as corretoras podem utilizar para diminuir a chamada de margem, é uso de seguro finança, ao contrário da anterior este possui um custo de contratação.

Ajuste Diário

É outro mecanismo de garantia, que tem a finalidade de assegurar a solvência dos participantes ao longo da operação.

Diminui o risco de calote e não cumprimento dos contratos. Aqueles que não ajustarem as posições negativas diariamente são liquidados pelas corretoras.

A seguir exemplo de ajuste diário no contrato de milho, simula posição de três contratos entre um comprador e vendedor.

Fonte: O Autor

Perceba que o preço do ajuste do pregão anterior é o parâmetro para o dia seguinte. Observe também que, quando há queda no preço do milho o comprador é ajustado com prejuízo e vendedor com lucro.

Para calculo de ajuste diário no milho, basta subtrair preço de entrada pelo preço do ajuste, multiplicar pelo número de contratos e depois pela quantidade de sacas (milho 450 sacas).

Limite de Oscilação

Também é mecanismo de gerenciamento de risco das oscilações, a BMF&FBovespa determina limites de posição para os contratos abertos, tanto para cima quanto para baixo.

Veja limite de oscilação vigente dos principais contratos agropecuários:

Boi (BGI): 3,50% sobre o preço de ajuste do dia anterior do vencimento negociado

Milho (CCM): 5,00% sobre o preço de ajuste do dia anterior do vencimento negociado

Café (ICF): 9% sobre o preço de ajuste do dia anterior do vencimento negociado

Soja (SFI): 5,00% sobre o preço de ajuste do dia anterior do vencimento negociado

Soja Chicago (SJC)[2]: Limite Mínimo: -U$1,54, aplicado sobre o preço de ajuste do dia anterior do vencimento negociado. O anterior era um túnel de -U$2,20; Limite Máximo: +U$1,54, aplicado sobre o preço de ajuste do dia anterior do vencimento negociado. O anterior era um túnel de -U$2,20.

Se analisarmos com atenção, veremos que os percentuais acima se aproximam do valor da margem de garantia. Sendo assim, o participante que tiver uma oscilação abrupta contra sua posição no mercado futuro no qual venha atingir o limite de oscilação, ele terá condição se ajustar as condições de mercado.

Cabe destacar, que estes valores podem ser alterados conforme metodologia de cálculo dos limites disponível no Manual de Risco da BMF&FBovespa.

Proteção Com Contrato Futuro

A decisão de usar mercado futuro depende das condições de mercado e da necessidade de cada participante. Nós na Hedge Agro, recomendamos na maioria das vezes o uso do mercado de opções para as operações de proteção, no entanto em alguns momentos faz sentido utilizar esta ferramenta.

Hedge de Alta: o participante abre posição de compra no contrato futuro com intuito de se proteger da valorização do ativo objeto. Exemplo, trading, frigoríficos, importador, etc.

Hedge de Queda: o participante abre posição de venda no contrato futuro com intuito de se proteger da desvalorização do ativo objeto. Exemplo, produtor rural, exportador, dentre outros.

O hedge com contrato futuro é mais complexo e requer maior monitoramento, por isso, é importante definir exatamente o que se espera com a operação. Caso contrário, este hedge se torna ineficiente e se iguala ao contrato a termo.

Espero que tenha esclarecido o funcionamento do mercado futuro, qualquer dúvida ou informação deixe seu comentário abaixo ou entre em contato.

 

[1] Os critérios de aceitação para cada tipo de ativo passível de aceitação em garantia constam no Manual de Administração de Risco – Capítulo 6

[2] Minicontrato futuro de soja CME Group

 

Referências

http://www.bmfbovespa.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *